PENSAMENTO

"Renda-se, como eu me rendi. Mergulhe no que você não conhece como eu mergulhei. Não se preocupe em entender, viver ultrapassa qualquer
entendimento." (Clarice Lispector)

sábado, 17 de agosto de 2013

TUGA SE AVENTURA A TOMAR BANHO DE LUA

TUGA SE AVENTURA A TOMAR BANHO DE LUA

Tuguinha amava aquela praia dourada em que nasceu. Aquele mar, aquelas ondas que a embalavam. Tudo ali a ajudava a imaginar fantasias deliciosas, sentia-se tão viva! Olhava para o céu encontrando-se com o mar, rapidinho subia nele. Lá de cima, sentadinha em uma nuvem, brincava de pescar os peixes e de soltá-los depois no mar. Jogava flocos de nuvens que caiam lentamente no mar só para vê-lo espumar numa brancura linda.
E ao chegar o poente corria para escutar aquele barulhinho de fogo se apagando na água: o Sol se pondo tchiiiiiiiiiiiiiiiii, dava uma leve tristeza, mas muito passageira, pois logo a lua aparecia. Antes de dormir Tuguinha ia espiar os casais de namorados que vinham à praia tomar banho da luz prateada da lua. Ela não entendia
suas vozes, mas podia entender a felicidade deles e ali parada e feliz brilhava sob a luz da lua.
Vivia sonhando acordada -imaginação não lhe faltava . Por conta disso, vez ou outra também entrava em cada encrenca! Via-se em palpos de gente!
Um dia, tomando banho de lua pertinho de um casalzinho de namorados, foi vista e escutou, para sua surpresa:
― Benzinho, veja que tartaruguinha mais bonitinha! Pega ela pra mim,
eu sempre quis ter uma tartaruguinha em casa!
― Ah, meu bem, tem certeza? Tá! Vou pegá-la.
Enquanto ele se levantava, Tuguinha saiu em tal disparada, como nunca correra tanto na vida! Coitada! Ainda bem que tinha bom condicionamento físico, e que, por sorte, existiam pedras ali perto. Então se escondeu e pôde tomar fôlego até partir de volta para sua casa. “Quem manda ficar xeretando namoro de gente à noite? - pensou -. E ouviu quando disseram:― Não acredito que você a deixou escapar!
― Nossa! Muito esperta essa tartaruga! Logo aparecerá outra, minha querida. Não fique triste!
― Ah! Que pena! Gostei tanto daquela, era tão lindinha!
Depois do susto Tuguinha foi dormir feliz pelo elogio e rindo sozinha pela aventura, e de repente, algo ainda maior a satisfez, por saber que agora tinha a habilidade de entender aquelas vozes humanas. “ Que estranhos e fascinantes eles são” – suspirou Tuguinha antes de adormecer.

Nenhum comentário:

Postar um comentário